quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

MARCO DE MENEZES



Seu livro "Fim das Coisas Velhas" recebeu os prêmios Açorianos de Poesia e Livro do Ano, 2010.


Dele, o poema


poesia

a mais negra das artes
pasto escasso dos dervixes
como o azeviche
o negro dos dedos de fuligem
ou de haxixe
os dedos de vertigem
que, branco quebradiço,
ao apontarmos
nos partem

que nenhum deus nos aguarda

poesia
extravio da bagagem
em outra margem

3 comentários:

  1. E...parece que esta verdade se deixa assim desenhar,como outra margem em que descansa uma mala antiga que se alcança ou não, vez ou outra, só para atravessar o rio e voltar...atravessar e voltar diferente.
    belíssimo
    beijo
    adriana bandeira

    ResponderExcluir
  2. Belas tuas palavras, também!
    Beijos,
    Cris

    ResponderExcluir

Arquivo do blog